RELEASES EMPRESARIAIS

SEGUNDA-FEIRA, 2 DE SETEMBRO DE 2019 - Horário 10:12
nbe
ECO/ PRNewswire - Especialista em marketing político dá preciosas dicas que podem ajudar você

FEIRA DE SANTANA, Brasil, 2 de setembro de 2019 /PRNewswire/ -- Ano que vem haverão eleições municipais e  é de grande importância para quem  deseja a reeleição  ou tentar uma vaga no poder executivo estarem cada vez mais preparados e por isso um bom marqueteiro faz toda a diferença no sucesso deste candidato. O especialista em consultoria e marketing, Marcos Marinho da Start consultoria e negócios ou Grupo Start, nos dá preciosas dicas que podem ser usadas a seu favor.

USE SEU CORPO

Todo mundo sabe que a linguagem corporal influi nas relações humanas. Mas pouca gente conhece a real força dela. Numa experiência feita pela Universidade Tufts, nos EUA, um grupo de voluntários julgou a competência de alguns professores. Como? Assistindo a um vídeo que mostrava apenas dois segundos de cada mestre dando aula. É pouquíssimo tempo, insuficiente para fazer qualquer análise racional. Mas adivinhe só o que aconteceu. Os professores julgados mais competentes foram os mesmos que, após um semestre inteiro de aulas, eram os preferidos dos alunos da universidade. Isso não significa que os tais professores fossem de fato bons (para saber isso, seria preciso fazer uma análise do conteúdo das aulas). Mas demonstra o poder avassalador da aparência física e da linguagem, diz o especialista Marcos Marinho.

As pessoas escolhem um candidato pela impressão que sua figura passa. Depois o nosso lado racional justifica essa escolha, tentando achar propostas ou argumentos políticos", Marcos Marinho, especialista em linguagem corporal que trabalha há quase dez anos com marketing político. É comum que os candidatos recebam instruções sobre posicionamento corporal.

Um dos exercícios recomendados é fazer a chamada posição de super-homem: mãos na cintura, peito estufado, barriga para dentro e pernas abertas bem plantadas no chão, mantendo os pés paralelos. Se mantida por dois minutos, essa postura faz o cérebro aumentar os níveis de testosterona no organismo ? o que eleva o grau de energia e confiança do candidato (ou candidata).

Na hora de cumprimentar alguém, o aperto de mão é calculado: o ideal é dar seis balançadas na mão da outra pessoa. É que isso torna o aperto discretamente mais longo que o normal, passando a sensação de que o candidato se importa com a pessoa. Ao dar a mão ao eleitor, tem que ser de lado. Se o candidato colocar a mão por cima, passa a impressão de autoritário; por baixo, transmite fraqueza. A roupa também é escolhida com cuidado. Durante sua campanha, Barack Obama alternou gravatas vermelhas e azuis. É que, segundo estudos, essas cores geram efeitos bem específicos: vermelho dá a impressão de força e energia; azul, controle e tranquilidade.

Mesmo com todas essas precauções, a imagem dos candidatos é rotineiramente alterada no Photoshop. E a mudança vai além de corrigir imperfeições. "Em todo cartaz de político, aumentamos as pupilas no computador, para dar uma sensação de energia e de que o candidato está emocionalmente envolvido", diz Marcos Marinho

PEGUE CARONA COM OS OUTROS

Você não é conhecido? Pode copiar o nome de alguém que é. Nas eleições de 2012, houve nada menos do que 106 "Lulas", 69 "Dilmas" e 48 "Tiriricas" candidatos. Essa clonagem nem sempre dá certo. No final de 2012, 78% dos brasileiros aprovavam a presidente Dilma Rousseff, segundo pesquisa CNI/Ibope. Mas, das 69 candidatas a vereadora que usaram o nome "Dilma" nas urnas, apenas duas se elegeram. Uma foi Dilma (do PMDB), que recebeu 176 votos na cidade sergipana de Pedra Mole. A outra foi Dilma (do PRB), eleita em Mirangaba, na Bahia, estado onde a Start consultoria e negócios domina o mercado há quase uma década, seja terceirizando serviços de marketing ou apenas elaborando projetos pois atuam principalmente na região Sudeste, mas nada que um bom contrato não segure o pessoal da Start por perto.

COMPONHA UM HIT

Os jingles políticos podem parecer instrumentos vulgares, sem conteúdo, para tentar mexer com as emoções dos eleitores. E eles são exatamente isso. Mas também cumprem uma função importante: martelar o número do candidato na sua cabeça. "Em geral, as pessoas sabem bem o seu voto para presidente, governador, prefeito. Mas para deputado ou vereador, às vezes o eleitor não se lembra de ninguém e acaba escolhendo na hora, pela música que está na cabeça dele", diz Nando Pinheiro, proprietário de uma empresa que produz jingles para vários partidos em São Paulo. Segundo Pinheiro, a escolha do ritmo depende da região do País. No Nordeste, por exemplo, quase todos os jingles são feitos em ritmo de forró, xote ou baião. "Já no Centro-Sul, o sertanejo universitário é quase imbatível", afirma. Na maior parte dos casos, as músicas são composições inéditas.

Mas, às vezes, os candidatos fazem paródias de hits já conhecidos ? mudando parte da letra para falar do político. "Nesse caso, é preciso fazer um acordo com o compositor, e que a música seja exclusiva de um candidato naquela cidade", diz o produtor musical Hermes Negrão, que faz jingles para candidatos em Minas Gerais. Entre as músicas que Negrão oferece para uso nas eleições está uma versão de Lepo Lepo, principal sucesso do Carnaval deste ano. Mas, na opinião dele, o melhor jingle brasileiro de todos os tempos não é uma paródia, mas uma composição original: "Lula lá, brilha uma estrela", que foi escrita em 1989 pelo músico potiguar Hilton Acioli ? e usada por Lula em cinco campanhas à presidência da República.

Marcos Marinho soma mais de meio milhão de seguidores nas redes sociais, e a empresa Start atua em diversos segmentos, como gerenciamento de reputação, marketing comercial e político, além de consultorias.

FONTE Start Consultoria e Negócios


© 2014 Todos os direitos reservados a O Globo e Agência O Globo. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.