RELEASES EMPRESARIAIS

TERÇA-FEIRA, 29 DE OUTUBRO DE 2019 - Horário 14:52
nbe
ECO/ PRNewswire - Na Futurecom, IEEE divulga Terceiro Estudo Global Anual "Geração IA", que revela confiança dos pais brasileiros da geração do milênio ("Millenials") na inteligência artificial para saúde e bem-estar das crianças da Geração Alfa

SÃO PAULO, 29 de outubro de 2019 /PRNewswire/ --

Principais Resultados do Estudo no Brasil: 

A maioria dos pais brasileiros (75%) concorda que um coração impresso em 3D, devidamente testado e totalmente funcional, seja implantado em seus filhos no futuro, se necessário.  90% dos pais da geração do milênio pesquisados preferem que seu pediatra recomende terapia com RV (Realidade Virtual) em vez de medicação para aliviar a dor dos filhos. 78% dos pais estão propensos a procurar um médico que use IA (Inteligência Artificial) no diagnóstico do câncer para seus filhos ou um membro da família. No Brasil, 69% dos pais da geração do milênio em 2019 afirmam que permitiriam que robôs movidos a IA conduzam cirurgias, em comparação com 60%, na pesquisa anterior, feita em 2018.  IEEE, maior organização técnica-profissional do mundo dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade, acaba de divulgar, na Futurecom,  o "Geração IA 2019: Terceiro estudo anual sobre pais da geração do milênio e crianças da Geração Alfa", que atesta a confiança que os pais da geração do milênio nos EUA, Reino Unido, Índia, China e Brasil com crianças da Geração Alfa (com nove anos de idade ou menos) depositam no uso da IA das tecnologias emergentes para a saúde e o bem-estar dos seus filhos. Foram ouvidos 2.000 pais, de 23 a 38 anos, com pelo menos uma criança de nove anos ou menos ?nos Estados Unidos, Reino Unido, Índia, China e Brasil. As 400 pesquisas em cada um dos países foram realizadas de 2 a 9 de outubro de 2019. Para consultar o "Geração IA 2019: Segundo estudo anual de pais da Geração Alfa do milênio", visite https://transmitter.ieee.org/ai.

Considerada a faixa demográfica mais envolvida com a tecnologia, nascida entre 2010 e 2025, a Geração Alfa está crescendo com a IA beneficiando sua saúde e bem-estar e a tecnologia se infiltrando em quase todos os aspectos de suas vidas. Para analisar os dados da pesquisa e saber mais sobre como as tecnologias de IA relacionadas à saúde e ao bem-estar estão beneficiando a humanidade, visite https://transmitter.ieee.org/health-2019.

Pais da geração do milênio permitiriam que um coração impresso em 3D fosse implantado em seus filhosA disponibilidade de órgãos de doadores humanos pode significar a diferença entre vida e morte. Contudo, pesquisadores estão usando tecnologias de impressão 3D para desenvolver órgãos, incluindo corações, que usam células humanas, colágeno e moléculas biológicas.

A maioria dos pais (EUA: 52%; Reino Unido: 60%; Brasil: 75%; Índia: 92%; China: 94%) se sentiria muito à vontade de permitir que um coração impresso em 3D devidamente testado e totalmente funcional fosse implantado em seus filhos no futuro, se necessário.  Dito isto, alguns pais pesquisados estariam se sentiriam "extremamente" à vontade de permitir que um coração impresso em 3D fosse implantado em seus filhos (Índia: 58%; China: 50%; Brasil: 42%), enquanto outros não se sentiriam muito à vontade (EUA: 48%; Reino Unido: 40%).Para incômodos e dores -- Adeus medicação, olá RVFones de ouvido alimentados por realidade virtual podem imergir as pessoas em ambientes virtuais 3D e, por ser uma distração, a RV vem sendo usada para o gerenciamento da dor. 

Uma significativa maioria de pais da geração do milênio pesquisados globalmente preferiria que seu pediatra recomendasse terapia com RV em vez de medicação para aliviar a dor dos filhos (China: 97%; Índia: 96%; Brasil: 90%; Reino Unido: 82%; EUA: 79%).  Além disso, alguns pais "enfaticamente" preferem que seu pediatra recomende terapia com RV em vez de medicação para dor, inclusive na Índia (75%), China (58%) e Brasil (45%), mas apenas um terço dos pais nos EUA e no Reino Unido.Enfermeira virtual movida a IA? Não quando nossos filhos estiverem no hospital, dizem os pais dos EUA e do Reino UnidoEmbora saúde à distância, IA e ferramentas de monitoramento remoto estejam ajudando a enfermagem a expandir os cuidados além do monitoramento presencial à beira do leito, criando praticamente uma enfermeira virtual, a maioria dos pais da geração do milênio nos EUA (67%) e no Reino Unido (57%) não se sentiria muito à vontade em deixar seus filhos aos cuidados de uma enfermeira virtual movida a IA durante uma estadia hospitalar. Por outro lado, a maioria dos pais da geração do milênio na China (88%), Índia (83%) e no Brasil (61%) se sentiria muito à vontade em deixar seu filho no hospital aos cuidados de uma enfermeira virtual movida a IA.

Pais da geração do milênio nos EUA são uma exceção ao permitirem que robôs operem seus filhosRobôs cirúrgicos movidos por inteligência artificial estão trazendo novas inovações e precisão para a sala de cirurgia.  

Os pais da geração do milênio na Ásia são significativamente mais propensos a permitir que robôs movidos a IA realizem cirurgias em seus filhos da Geração Alfa ? ainda mais em 2019 em comparação com 2018 (China: 94% em 2019 contra 82% em 2018; Índia: 86% em 2019 contra 78% em 2018), enquanto, em 2019, 51% no Reino Unido (um aumento de 6% em relação a 2018) e 46% dos pais da geração do milênio nos EUA (um aumento de 1% em relação a 2018) dizem que estariam muito bem propensos.   No Brasil, 69% dos pais da geração do milênio em 2019 afirmam que estariam muito propensos a permitir que robôs movidos a IA conduzam cirurgias, em comparação com 60% em 2018.   Além disso, em 2019, 25% dos pais da geração do milênio nos EUA e 21% no Reino Unido dizem que "não estariam nada propensos" a permitir essa cirurgia em seus filhos.Ônibus escolar com condução autônoma -- Para alguns pais, alívio do estresse; para outros, nãoAliar o trabalho à necessidade de levar filhos pontualmente à escola pode ser estressante para os pais e para as crianças. Tecnologias autônomas estão sendo implantadas em ônibus com condução autônoma em todo o mundo, mas os pais da geração do milênio estão divididos sobre a probabilidade de permitir que seus filhos usem esse transporte para a escola a fim de minimizar o estresse, mesmo com a segurança testada e equipados com um robô de apoio.  

A maioria dos pais da geração do milênio nos Estados Unidos (58%) e no Reino Unido (51%) dizem que não estão muito propensos a permitir que seus filhos peguem um ônibus autônomo para a escola, enquanto uma notável maioria de pais na China (91%), Índia (87%) e Brasil (67%) diz que está muito propensa a permitir que seus filhos peguem um ônibus autônomo para a escola, a fim de minimizar o estresse.  

Um retrato das doenças genéticas rarasA aprendizagem de máquina vem ajudando os médicos a diagnosticar doenças raras, analisando fotografias dos pacientes e fazendo uma correlação entre irregularidades detectadas e doenças genéticas raras. Pais da geração do milênio, preocupados com seus filhos, geralmente se sentem à vontade ao usar essa tecnologia na busca de respostas, embora os pais na Ásia sejam os que ficam mais à vontade.

Pais da geração do milênio na Ásia (Índia: 90%; China: 89%) dizem que se sentiriam muito à vontade usando essa tecnologia para diagnosticar seus filhos. Mais de três quartos dos pais da geração do milênio no Brasil (78%) dizem que se sentiriam muito à vontade usando essa tecnologia para diagnosticar seus filhos, enquanto 57% dos pais da geração do milênio nos EUA e no Reino Unido dizem o mesmo. Sua poltrona reclinável favorita também pode ser inteligenteAs tecnologias de IA e de sensores estão sendo incluídas em um número crescente de dispositivos "inteligentes", de alto-falantes habilitados por voz a geladeiras com câmeras internas que podem monitorar se o leite está acabando. No futuro, móveis inteligentes podem ser dotados de sensores biométricos para medição de peso, pressão arterial e frequência cardíaca. De forma geral, os pais da geração do milênio estariam muito interessados (EUA: 63%; Reino Unido: 66%; Brasil: 86%; China: 92%; Índia: 94%) em ter uma cadeira inteligente em sua casa que pudesse fazer exames de saúde automaticamente.

A IA cada vez mais preferida (em vez dos filhos) nos cuidados durante a Melhor Idade Em todo o mundo, é esmagadora a preferência dos pais da geração do milênio pelo uso da IA na busca de uma vida independente durante a Melhor Idade, em vez de depender de seus filhos da Geração Alfa, e essa preferência tem aumentado significativamente na maioria das regiões no último ano. 

O crescimento mais dramático na preferência pela IA para uma vida independente durante a Melhor Idade é entre os pais brasileiros, que saltou de 61% em 2018 para 82% em 2019. Uma tendência semelhante é observada na Índia, onde 90% dos pais da geração do milênio em 2019 preferem depender da IA em comparação com 79% em 2018. Os pais da geração do milênio na China continuam a ter a maior preferência pelo apoio da IA conforme envelhecem ? 93% em 2019 contra 94% em 2018. No Reino Unido, 74% dos pais da geração do milênio em 2019 preferem depender da IA para cuidados, um aumento de 13% em relação a 2018, quando 61% dos pais disseram preferir confiar na IA.  Uma clara maioria dos pais da geração do milênio nos EUA em 2019 prefere depender da IA (61%), um aumento de 5% em relação a 2018, quando 56% dos pais americanos disseram preferir depender da IA. Assim, a preferência por confiar nos filhos para cuidados durante a Melhor Idade diminuiu em 2019 para 39% contra 44% em 2018. Médicos usam a IA no diagnóstico do câncer infantilAs tecnologias de Inteligência Artificial estão sendo usadas para melhorar o diagnóstico de certos tipos e graus de câncer. A maioria dos pais da geração do milênio em todo o mundo diz que seria muito provável que procurassem um médico que usasse IA para diagnóstico de câncer se seus filhos ou um membro da família precisasse desse tipo de avaliação.  A maioria dos pais da geração do milênio na China (94%), Índia (88%) e no Brasil (78%) estaria muito propensa a procurar um médico que usasse IA no diagnóstico do câncer para seus filhos ou um membro da família, enquanto 59% dos pais no Reino Unido e 53% dos pais nos Estados Unidos estão muito propensos a fazê-lo.  

Cresce o número de pais propensos a recorrer ao diagnóstico pediátrico por "chatbot" Pessoas estão recorrendo a "chatbots" de IA (programas de computador que simulam um ser humano na conversação) que comparam sintomas com um banco de dados de doenças, o histórico do paciente e as circunstâncias, para então recomendar um curso de ação. Pelo segundo ano consecutivo, o IEEE perguntou aos pais da geração do milênio em todo o mundo qual seria a probabilidade de usarem um "chatbot" de IA e reconhecimento de fala para diagnosticar seus filhos doentes da Geração Alfa.

Mais de nove em cada 10 pais na China (95%) dizem que é provável usarem um "chatbot" de IA para diagnosticar seus filhos doentes no futuro, contra 85% em 2018, incluindo mais da metade (53%) que disse ser "extremamente" provável. Da mesma forma, na Índia, 87% dos pais tendem a usar um "chatbot" de IA para o diagnóstico de seus filhos em 2019, com 60% dizendo que estariam extremamente propensos, um aumento significativo em relação a 2018 (38%).  Os pais do Reino Unido estão mais propensos em 2019 (53%) do que em 2018 (50%) a usar essa tecnologia para diagnosticar seus filhos, enquanto os pais dos EUA continuam a não estarem muito propensos (2019: 51 % em comparação com 2018: 52%) a usar essa tecnologia para diagnosticar seus filhos.Sobre o IEEEO IEEE é a maior organização técnico-profissional do mundo dedicada ao avanço da tecnologia para o benefício da humanidade. Através de suas publicações amplamente citadas, congressos, normas de tecnologia e atividades profissionais e educacionais, o IEEE é a voz da confiança em uma ampla variedade de áreas, desde sistemas aeroespaciais, computadores e telecomunicações até engenharia biomédica, energia elétrica e eletrônicos de consumo. Saiba mais em http://www.ieee.org.

FONTE IEEE


© 2014 Todos os direitos reservados a O Globo e Agência O Globo. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.