RELEASES EMPRESARIAIS

QUARTA-FEIRA, 4 DE NOVEMBRO DE 2020 - Horário 3:02
nbe
ECO/ PRNewswire - O relatório do The Global State of Tobacco Harm Reduction revela apenas nove usuários de produtos de nicotina mais seguros para cada 100 fumantes - especialistas afirmam que o controle global do tabaco deve adotar a redução de danos para salvar vidas

LONDRES, 4 de novembro de 2020 /PRNewswire/ -- Burning Issues: The Global State of Tobacco Harm Reduction (GSTHR) 2020 publicado pela agência de saúde pública do Reino Unido Knowledge Action Change (KAC) demonstra uma necessidade urgente de ampliar a redução de danos do tabaco, o que permite a fumantes mudar para produtos de nicotina mais seguros, eliminando a fumaça que causa morte e doenças.

Inédito no mundo, o relatório revela que cerca de 98 milhões de pessoas usam esses produtos globalmente: 68 milhões fumam cigarros eletrônicos, 20 milhões usam produtos de tabaco aquecidos e 10 milhões, snus oral pasteurizado ou sem fumaça dos EUA - indicando a enorme demanda por alternativas mais seguras.

No entanto, esses números são insignificantes ante o total global de 1,1 bilhão de fumantes - um número que permaneceu estático por duas décadas, apesar dos bilhões gastos no controle do tabaco. Oito milhões de pessoas morrem anualmente em virtude de doenças relacionadas ao fumo.

No lançamento on-line de acesso aberto de hoje, co-hospedado com a ONGTHR Malawi, sediada em Lilongwe, os autores do relatório mostram que tanto o acesso quanto a adoção de produtos de nicotina mais seguros continuam sendo preservados em países de alta renda, enquanto que 80 por cento dos fumantes do mundo mora em países de renda baixa e média mal equipados para implementar o controle do tabaco ou tratar doenças relacionadas ao fumo.  

O relatório revela como a política de controle do tabagismo da OMS está sendo influenciada por bilhões de dólares de fundações dos EUA em campanha contra a redução dos danos do tabaco, enquanto a desinformação está desencorajando os fumantes a trocar para produtos mais seguros.

O recurso de mapeamento de dados ao vivo do GSTHR, lançado junto com o Burning Issues, demonstra que os produtos de nicotina mais seguros estão sendo proibidos ou deixados perigosamente sem regulamentação em muitos países, enquanto o tabaco combustível mortal é proibido apenas no Butão.

O professor emérito do Imperial College London e diretor do KAC, Gerry Stimson, afirma que 1,1 bilhão de fumantes merecem algo melhor. "Integrada ao controle do tabagismo, a redução de danos pode ser um fator decisivo na batalha contra as doenças não transmissíveis", disse ele. "Os legisladores globais de controle do tabagismo devem ouvir os consumidores e apresentar políticas que se concentrem genuinamente na redução das mortes relacionadas ao fumo por todos os meios disponíveis."

O editor executivo da Burning Issues, Harry Shapiro, concorda.   "A redução dos danos do tabaco pode e se tornará um verdadeiro sucesso de saúde pública liderado pelo consumidor. Em vez disso, estamos vendo o início de uma guerra contra a nicotina."

Palestrante convidado no lançamento de hoje, o Professor David Nutt, fundador da DrugScience , argumenta que rejeitar a oportunidade de redução dos danos do tabaco "talvez seja o pior exemplo de negação científica desde que a Igreja Católica proibiu as obras de Copérnico em 1616".

Comunicado de mídia completo | Relatório | Participe do lançamento

Infographic - https://mma.prnewswire.com/media/1325629/KAC_Infographic.jpg  PDF - https://mma.prnewswire.com/media/1325630/Knowledge_Action_Change.pdf

FONTE Knowledge Action Change (KAC)


© 2014 Todos os direitos reservados a O Globo e Agência O Globo. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.