RELEASES EMPRESARIAIS

SEXTA-FEIRA, 12 DE MARÇO DE 2021 - Horário 16:08
nbe
ECO/ PRNewswire - PwC: Três quartos dos CEOs preveem um retorno ao crescimento em 2021

NOVA YORK, 12 de março de 2021 /PRNewswire/ --

Pesquisa da PwC realizada com mais de 5.000 CEOs em todo o mundo revela níveis recordes de otimismo 76% dos CEOs acreditam que o crescimento econômico global irá melhorar em 2021 Confiança no crescimento das receitas das próprias empresas é retomada Na opinião dos CEOs, EUA estendem sua liderança sobre a China como o principal destino de crescimento No ano da COP26, as mudanças climáticas ainda não estão sendo abordadas com urgência A desinformação cresceu e se tornou uma das dez principais ameaças ao crescimentoUm ano após a COVID-19 ter sido declarada uma pandemia, os CEOs estão manifestando níveis recordes de otimismo na recuperação econômica global, com 76% dos líderes empresariais globais prevendo que o crescimento econômico irá melhorar em 2021.

 

Os números foram obtidos a partir da 24ª Pesquisa anual global de CEOs da PwC que, este ano, entrevistou 5.050 CEOs em 100 países e territórios em janeiro e fevereiro de 2021.

A porcentagem de CEOs que expressam confiança no crescimento aumentou de 22% em 2020 e 42% em 2019, representando o mais alto nível de otimismo desde que a pesquisa começou a fazer essa pergunta em 2012.

O otimismo entre CEOs em relação ao crescimento econômico global é particularmente forte na América do Norte e na Europa Ocidental, com 86% e 76% dos CEOs, respectivamente, dessas regiões prevendo um crescimento global aprimorado no próximo ano.

"Após um ano de tragédia humana e grandes dificuldades econômicas, é animador ver que as pessoas responsáveis pelas decisões de investimento e contratação de pessoal sentem-se otimistas, com cautela, em relação ao próximo ano. Os CEOs acreditam que o crescimento retornará, impulsionado pelo rápido desenvolvimento de vacinas e sua distribuição em muitas partes do mundo", disse Bob Moritz, presidente da rede PwC. 

"Durante o conturbado ano passado, os CEOs tiveram que repensar e reconfigurar o que fazem e como o fazem, enquanto lidam com os balanços patrimoniais esticados e oferecem suporte aos funcionários que foram forçados a enfrentar essas circunstâncias extraordinárias.

"Os CEOs agora enfrentam dois desafios fundamentais: primeiro, como desenvolver a confiança perante uma ampla gama de partes interessadas, cujas expectativas de negócios são maiores do que nunca; e segundo, como adaptar seus negócios e produzir resultados consistentes em um ambiente externo em rápida mudança. As empresas que corrigirem isso estarão em melhor posição para sair da pandemia como empresas fortes, resilientes e produtivas, capazes de resistir a choques futuros."

Confiança dos CEOs no crescimento da receita retorna à média de longo prazo 

Os CEOs estão mais otimistas sobre a perspectiva de seus negócios. Cerca de 36% dos entrevistados disseram que estão "muito confiantes" sobre as perspectivas de crescimento de receita de sua empresa nos próximos doze meses, em comparação com 27% dos CEOs em 2020.

Embora a confiança global tenha aumentado, há uma ampla variação entre os setores, refletindo os diferentes graus em que o comportamento do consumidor foi impactado pela pandemia. Os CEOs dos setores de tecnologia e telecomunicações mostram os níveis mais altos de confiança de 45% e 43%, respectivamente. Enquanto isso, os CEOs nos setores de transporte e logística (29%) e hotelaria e lazer (27%) estão entre os menos confiantes sobre sua capacidade de aumentar as receitas nos próximos doze meses.

EUA estendem sua liderança sobre a China como o principal destino de crescimento 

Os resultados da pesquisa mostram que os EUA aumentaram sua liderança como o mercado número um que os CEOs esperam crescer nos próximos doze meses com 35%, sete pontos percentuais à frente da China com 28%. Em 2020, os EUA só tinham um ponto percentual à frente da China.

Novos desenvolvimentos políticos e tensões existentes tiveram impacto nas opiniões dos CEOs dos EUA. Eles estão reduzindo a ênfase na China como impulsionador de crescimento e aumentando o foco no Canadá e no México; em comparação com 2020, o interesse dos CEOs dos EUA nos dois últimos países aumentou 78%. Enquanto isso, os CEOs da China relatam interesse crescente em grandes economias como os EUA, Alemanha e Japão, principais destinos de exportação.

Com 17%, a Alemanha mantém seu terceiro lugar na lista de destinos de crescimento, enquanto o Reino Unido, pós-Brexit, sobe para o quarto lugar (11%), superando a Índia (8%). O Japão também sobe no ranking e se torna o sexto destino de crescimento mais atraente, ultrapassando a Austrália, que ocupou essa posição no ano passado.

No ano da COP26, as mudanças climáticas ainda não estão sendo consideradas com urgência 

A porcentagem de CEOs que expressam preocupação com as mudanças climáticas aumentou de 24% em 2020 para 30% em 2021. Isso representa apenas um aumento mínimo no contexto da COP26, que está sendo realizada este ano em Glasgow, Reino Unido. A descoberta também ocorre no contexto da ansiedade crescente sobre quase todos os tipos de ameaças.

As mudanças climáticas ainda estão apenas em nono lugar entre as ameaças ao crescimento percebidas pelos CEOs. Além disso, mais 27% dos CEOs relatam estar "nada preocupados" ou "pouco preocupados" com as mudanças climáticas. Isso pode ocorrer porque as mudanças climáticas não são vistas como uma ameaça imediata ao crescimento em comparação com outras questões, como a pandemia, o excesso de regulamentação e as ameaças cibernéticas.

Enquanto isso, 39% dos CEOs acreditam que sua empresa precisa fazer mais para "medir" seu impacto ambiental. E 43% acreditam que suas empresas precisam fazer mais para "relatar" sobre isso, uma participação maior do que qualquer outra área de divulgação. Isso é incentivador, visto que mais e melhores informações corporativas sobre o impacto ambiental são fundamentais para impulsionar a mudança necessária para chegar a uma economia zero líquido.

No entanto, 60% dos CEOs ainda não incorporaram os riscos climáticos em suas atividades estratégicas de gestão de risco, o que é preocupante visto que as mudanças climáticas representam um risco físico e transitório crescente para os negócios. Em nível nacional, os CEOs em países com alta exposição a desastres naturais, como Índia e China, estão entre os menos preparados para os riscos da mudança climática.

Enquanto 23% dos CEOs planejam aumentar significativamente os investimentos em iniciativas de sustentabilidade como resultado da COVID-19, quase um terço dos CEOs não está planejando mudanças.

Bob Moritz disse: "Para enfrentar os maiores desafios que nosso mundo enfrenta hoje, precisamos mudar os incentivos que impulsionam a tomada de decisões. Isso exige que os mercados financeiros tenham uma visão mais ampla do valor, além do retorno financeiro exclusivo e do valor de curto prazo, para que o capital circule para os locais certos. Relatórios corporativos não financeiros melhores e comparáveis também são cruciais, para que as partes interessadas possam ver como as empresas estão criando valor para a sociedade e para o nosso planeta, bem como para atingir seus objetivos financeiros. As empresas que corrigirem isso irão aprimorar sua marca e construir confiança com suas partes interessadas."

Preocupações com cibernética, políticas fiscais e desinformação estão em alta 

Sem causar surpresa, pandemias e crises de saúde[1] estão no topo da lista de ameaças às perspectivas de crescimento, superando o medo do excesso de regulamentação, que tem sido a preocupação número um permanente dos CEOs desde 2014.

A crescente digitalização está aumentando os riscos impostos pelas ameaças cibernéticas. Isso, juntamente com o aumento significativo de incidentes de segurança cibernética em 2020, incluindo ataques de ransomware, resultou em ameaças cibernéticas que saltaram na lista e se tornaram a preocupação número dois, citada por 47% dos CEOs em comparação com 33% em 2020. As ameaças cibernéticas são uma preocupação particularmente para CEOs na América do Norte e Europa Ocidental, onde são consideradas uma ameaça maior do que a pandemia.

Também subindo rapidamente na lista de preocupações de CEOs está a disseminação de desinformação (28%, contra 16% em 2020), que teve um impacto nas eleições, reputação e saúde pública, contribuindo ainda mais para uma queda na confiança em toda a sociedade.

Em 2020, a incerteza da política fiscal ficou fora das dez maiores preocupações dos CEOs, com apenas 19% dos CEOs envolvidos. Este ano, sua importância aumentou rapidamente, saltando para o sétimo lugar (31%), com CEOs assistindo, sem dúvida, ao acúmulo das dívidas do governo e percebendo que os impostos sobre as empresas provavelmente precisarão aumentar.

Investimentos digitais para o futuro 

Questionados sobre seus gastos com transformação digital, quase metade dos CEOs (49%) projeta aumentos de 10% ou mais. Apesar do nível crescente de preocupação que os CEOs estão manifestando sobre os ataques cibernéticos, isso não se traduziu em ações definitivas. Menos da metade dos CEOs que planejam aumentar os investimentos digitais também estão planejando aumentar seus gastos com segurança cibernética e privacidade de dados em 10% ou mais.

Ao mesmo tempo, um número cada vez maior de CEOs (36%) pretende empregar automação e tecnologia para tornar sua força de trabalho mais competitiva, o que representa mais do que o dobro da parcela de CEOs que afirmaram o mesmo em 2016.

Bob Moritz acrescentou: "Ao atingir a marca de um ano da pandemia, estamos em um ponto de inflexão à medida que a vacinação começa a aumentar em todo o mundo. Embora a forma da recuperação ainda seja desconhecida, fica claro que não podemos simplesmente voltar ao que era antes. Para alcançar o tipo de mudança necessária, os CEOs precisarão pensar de outra forma e avaliar constantemente suas decisões e ações em relação aos impactos sociais mais amplos. Ao fazer isso, eles estabelecerão um rumo que irá gerar confiança e oferecer resultados sustentáveis para os acionistas, a sociedade e o nosso planeta."

Observações: 

Baixe o relatório no site ceosurvey.pwc.

A PwC pesquisou 5.050 CEOs em 100 países e territórios em janeiro e fevereiro de 2021. Isso representa um aumento em comparação aos 3.501 entrevistados da pesquisa do ano passado. Os números globais e regionais deste relatório baseiam-se em uma subamostra de 1.779 CEOs, proporcional ao PIB nominal do país para garantir que as opiniões dos CEOs sejam representativas em todas as principais regiões. Mais detalhes por região, país e setor estão disponíveis mediante solicitação.

Dos 1.779 CEOs cujas respostas foram utilizadas para os números globais e regionais:

6% de suas empresas tiveram receitas de US$25 bilhões ou mais 9% de suas empresas tiveram receitas entre US$10 bilhões e US$25 bilhões. 35% de suas empresas tiveram receitas entre US$1 bilhão e US$10 bilhões. 34% de suas empresas tiveram receitas entre US$100 milhões e US$1 bilhão. 14% de suas empresas tiveram receitas de até US$100 milhões. 60% de suas empresas eram propriedade privada.Também realizamos entrevistas presenciais e detalhadas com CEOs de seis regiões. Algumas dessas entrevistas são citadas neste relatório, e transcrições mais extensas podem ser encontradas em nosso site: https://www.strategy-business.com/inside-the-mind-of-the-ceo.

Sobre a PwC 

Na PwC, nosso objetivo é construir confiança na sociedade e resolver problemas importantes.  Somos uma rede de empresas em 155 países, com mais de 284 mil funcionários que estão comprometidos em oferecer qualidade em serviços de garantia, consultoria e tributários. Saiba mais e diga-nos o que é importante para você, acessando: www.pwc.com.

PwC refere-se à rede PwC e/ou a uma ou mais de suas empresas membros, cada uma das quais é uma entidade legal separada. Consulte www.pwc.com/structure para mais detalhes.

© 2021 PwC. Todos os direitos reservados.

[1]  Nova categoria de risco este ano: foi incluída pela última vez na pesquisa de 2015

Siga/retweet: @pwc

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1121790/PWC_Logo.jpg

FONTE PwC


© 2014 Todos os direitos reservados a O Globo e Agência O Globo. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.