RELEASES EMPRESARIAIS

QUINTA-FEIRA, 27 DE AGOSTO DE 2020 - Horário 15:43
nbn
Sou Net - EMPREENDEDORISMO DEVE SER MAIS MOTIVADO E APOIADO NO BRASIL



Com mais de 20 anos de experiência na carreira executiva e como empresário, o profissional respondeu 5 perguntas com conselhos para quem quer abrir seu negócio.











Em 2020, o Brasil deve atingir o seu maior patamar de novos empreendedores. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), aproximadamente 25% da população adulta estará envolvida na abertura de um novo negócio ou em empresas com até 3 anos e meio de atividade.
Parte destas novas empresas que estão surgindo são impulsionadas pela crise do Coronavírus (covid-19). Com 12, 7 milhões de pessoas desempregadas, de acordo com os dados de maio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o empreendedorismo se torna uma alternativa de renda, os conhecidos empreendedores por necessidade.



É por isso, que hoje conversamos com o empreendedor Telmo Tonolli, que começou sua carreira muito cedo e foi crescendo aos poucos, com o principal objetivo: ter uma vida e trajetória extraordinárias. E antes das dicas, ele afirma: “Empreender, principalmente em momentos de crise, demanda atenção. Além de toda a burocracia e dificuldades em abrir uma empresa, o empresário precisa aprender a lidar com seu próprio mercado e realizar a melhor gestão”, explicou.



Formado em direito e com inúmeras especializações na área, Telmo ainda lembra que para um negócio de sucesso, é preciso sim estar atento às tendências de mercado, mas também ser criativo. Por essa razão, fizemos 5 perguntas para ajudar quem tem o sonho de abrir seu próprio negócio (seja em época de pandemia, ou não).



1) Qual foi seu maior desafio como empreendedor?


R: Engana-se quem acha que para ser empreendedor, o maior desafio é ter uma boa ideia, dinheiro ou apoio. Claro que tudo isso são elementos importantes, porém, desde a revolução industrial, a nossa sociedade educa seu povo para ser proletariado e não empresário, ou seja, entendo que o maior desafio é ter coragem.


Vou tentar explicar em algumas palavras rápidas! Considere a revolução industrial como ponto de partida: a pessoa “ajuizada”, perseguia como objetivo um trabalho numa grande empresa, para passar sua vida lá, ter salário, benefícios e então, se aposentar para curtir a vida... Este pensamento persegue a maior parte da população até hoje, e para mim, é o que explica uma pessoa ficar 8 horas por dia num trabalho, aceitar R$ 1.045,00 mensais, sendo que, se vender bolos (por exemplo) daria para ela no mínimo o dobro disso.



O que impede? O medo de não conseguir.



Vá para uma outra ponta de análise. Um executivo que ganha muito bem, cheio de capacidades, com muita visão de mercado, porque não tem seu próprio negócio? Medo de perder o que conquistou, de ter responsabilidade que não se vê preparado para assumir.


Claro que este assunto merece mais debate e profundidade, como por exemplo falar da maturidade emocional na trajetória do empreendedor (que desiste rapidamente), mas com certeza, quando passarmos a educar nossas crianças e jovens para terem o espírito empreendedor, com certeza, outros desafios serão superados com mais facilidade. Portanto, o desafio é ser corajoso para empreender.




2) Quais dicas você dá para quem está pensando em empreender?


R: Sabe que essa é uma pergunta que respondo quase todos os dias? Verdade mesmo! Conforme falo e me posiciono nas redes sociais, aproximo pessoas que desejam empreender, e de várias idades, que tem aquele medo que comentei acima e querem ter um direcionamento para o melhor momento, quais passos devem tomar e etc.


Seriam muitas, um conjunto delas são importantes, mas vou elencar 5 essenciais para dar o primeiro passo para empreender, que em minha opinião são:



1 – Escolher fazer algo que realmente você sinta prazer em fazer (isso não quer dizer deixar de fazer o que seja necessário). Quando encontra esta equação (fazer por mais tempo o que ama, e por menos tempo o que é preciso), se sistema de compensação interior ajuda demais na motivação e na perseverança;



2 – Tenha clareza quais são os sonhos e soluções que seu negócio realiza e proporciona. Voltando ao exemplo do bolo: realiza o sonho de reunir a família para comemorar uma data importante, saboreando o bolo que marcará aquele dia, e as pessoas terão aquele sabor como parte da comemoração que reúne quem ama, etc.


Percebe que é diferente de vender bolo?



3 – Entenda quem é o público para quem você deverá se comunicar. Como se comunicar e como mostrar para ele que você é capaz de realizar o sonho dele e solucionar o problema dele.


Mas nem sempre ele sabe que tem o problema, mas se você o ajudar poderá dar para ele a consciência, veja se faz sentido para você:


Quantas vezes você foi numa festa e na hora de comer o bolo, ele estava sem gosto, estragado e que não consumir todo seu pedaço? E neste dia você prometeu para você mesma que não passaria por isso jamais? Põe o depoimento de uma criança pedindo mais um pedaço com a boca suja, dizendo que é o melhor bolo que já comeu.... E por aí vai...


Acha que ajudaria a pessoa tomar a decisão de comprar o bolo de você, mais do que somente dizer: vendo bolos deliciosos.



4 – Perseverança. Há uma tendência em desistir porque não deu certo. Aliás, por termos esta mentalidade de proletariado, achamos que quando o cara quebra ele não presta como pessoa. Não sei se pensa assim, mas por muito tempo via as pessoas que quebraram negócios como incapazes, e outros adjetivos piores.


Aprendi que não. Quebrar é uma possibilidade, mas que não tem, muitas vezes, nada haver com a pessoa, e, que quebrar faz parte e está tudo bem.


Mas não desista, continue, recomece, aprenda com o que errou, e siga decididamente, vai dar certo!



5 – Humildade. Não saberá tudo nunca, não poderá fazer tudo sozinho nunca! Esteja disposto a aprender sempre e a pedir ajuda, que é mais importante ainda.




3) Quem quer empreender também não pode deixar de lado a parte financeira. Mas no Brasil, infelizmente, temos uma fraca educação financeira. Vimos que você criou o método P.I.C. Como ele pode ajudar nessa questão?


R: Você tocou num ponto que é muito sensível.


Concordo com seu ponto de vista, e em geral somos mal educados financeiramente. Imagina que uma criança até o final da sua adolescência passa o tempo na escola sem nunca aprender verdadeiramente como usar o dinheiro e como fazer da melhor forma seu uso. E o pior, nas faculdades também não ensinam sobre isso.


Porque ao passar a empreender, aconteceria um passe de mágicas e aprenderíamos? Como comecei dizendo, não somos ensinados a sermos empreendedores!!


Tem mais um ponto que trago para reflexão. Em regra, o relacionamento com o dinheiro aqui no Brasil também é muito pejorativo. Quantas vezes ouvimos que ricos são ladrões ou egoístas ou que não se importam com as pessoas; ou que o dinheiro é sujo e faz mal para as pessoas; ou que “aquele alí foi só começar a ganhar dinheiro que já mudou, está medito”...



No P.I.C faço 4 trabalhos a respeito do dinheiro:


O primeiro sobre identificação dos custos;


O segundo a separação da pessoa jurídica da física;


A terceira a consciência sobre investimento em pessoas e equipe;


A quarta não menos importante, como fazer e analisar fluxo de caixa.



Mas e investimentos? Bolsas de valores? Fundos, etc.


Encaminho para consultores especializados para que aprendam sobre, porque este é um universo para quem está focado mesmo, e é preciso ter humildade para buscar com quem conhece e está lidando com isso dia a dia.





4) Em pleno cenário de Covid-19 e com toda a sua experiência de mercado, em que ramo de negócios você apostaria atualmente?


R: No curso que tenho que chama Liderança Exponencial e que ministrei um durante a quarentena, apresentei minha visão sobre a retomada e como o comportamento das pessoas se dariam, etc.


Independente do momento e de estarmos na total retomada, um ponto comum em todos eles (que dividi em 4) é o relacionamento digital que passará a fazer parte, mas com o diferencial de ser humanizado, isto quer dizer, capaz de oferece soluções imediatas customizadas.


Sem dúvidas apostaria em alimentação com atendimento digital; Marketing digital como o maior boom de tudo; Educação é outra que vai com certeza crescer. Diria que cuidados com beleza e estética que é um setor que sempre cresce ou permanece historicamente nas crises que o mundo viveu.





5) E por fim, sabemos que para empreender, é preciso se capacitar. Que dica você daria para que o empresário consiga melhorar suas habilidades?


R: Uma característica deste mundo moderno é que acabou a era dos “formados”. Acabei a faculdade agora me livrei de estudar!! Não existe mais.


O mundo evolui muito rapidamente, e novas habilidades o tempo todo são exigidas; mais que isso; interpretar a sociedade o comportamento social e acompanhar tendências exigirão estudos constantes e de qualidade.


Portanto, invistam sempre em conhecimento, direcionado para seu negócio, porém, não somente específico. Como assim? Você precisa buscar conhecimento em marketing, principalmente digital, entender sobre processos internos; fortalecimento emocional (uma das habilidades essenciais para profissionais do novo século divulgada no final do ano passado), como construir sua imagem e sempre estudar tendências e inovações possíveis.


Veja quanta coisa!! Mas posso garantir que é maravilhosa a experiência e o nível de satisfação com a vida aumenta exponencialmente. Não é mais preciso esperar a aposentadoria chegar para tentar aproveitar a vida, pode ser já!



Telmo ajuda milhares de pessoas nas redes sociais e também possui mentorias. Para conhecer mais sobre o trabalho do empresário, basta seguir: @telmotonolli no Instagram.





© 2014 Todos os direitos reservados a O Globo e Agência O Globo. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.