RELEASES EMPRESARIAIS

QUARTA-FEIRA, 24 DE MARÇO DE 2021 - Horário 8:39
nbn
Sou Net - Psicoterapia: tempo de falar e ser escutado










A pandemia provocada pelo vírus COVID-19, vem causando danos humanos, econômicos e sociais sem precedentes. Por isso, é uma condição particular de estresse que impacta nossa saúde mental, desorganiza as economias e aumenta o risco de desenvolvimento de transtornos mentais. Foi um ano desafiador, em que as pessoas precisaram se reconectar e reaprender para dar sequência nos planos e projetos. Quem estava acostumado todo fim de semana a estar com a família ou curtir momentos com os amigos, teve que recuar e mudar a rotina, fazendo esses encontros online. Situações como toque de recolher, evitar aglomeração, adaptar seu trabalho ou estudo no Home Office, absolutamente tudo foi novo e que gerou inúmeros incômodos, afinal não estávamos prontos para este “novo normal.


Em um período sem precedentes como este, nada mais justo e sensato do que ouvir o seguinte ditado: quando estamos diante de uma ameaça à vida, ativamos o mecanismo de luta ou fuga. E, esse mecanismo herdado dos nossos mais remotos antepassados, se traduz hoje numa palavra corriqueira: medo.





Os resultados da pandemia começaram a surgir por meio das dificuldades com a necessidade da redução e distanciamento do contato físico. Para nós brasileiros não é nada fácil deixar de se abraçar e de se tocar. É difícil mudar comportamentos, mas precisamos nos policiar para evitar os abraços e beijinhos. A primeira reação é de estresse agudo relacionado com a pandemia que ocasiona uma circunstância súbita e inesperada.


Segundo o psicólogo Vicente Melo, existem diversas estratégias para ressignificar os sentimentos negativos por conta da pandemia, tornando esse período mais leve e atrativo para a nossa saúde mental. “Estamos em um momento destinado para que as pessoas falem e que sejam escutadas ou acolhidas. Muitos dos meus pacientes dizem que não encontraram na família ou no círculo de amigos, pessoas que escutem suas queixas seus problemas, isto é, escutar o que eles têm a dizer, sem julgamentos. O instrumento de trabalho de um psicólogo é a fala e a escuta, então se eu posso propiciar ao meu paciente uma escuta qualificada, uma escuta de aceitação do que ele está trazendo falar.”





Problemas ocasionados pelo isolamento, conflitos familiares potencializados pela quarentena, ansiedade, crises de pânico, medo de perder entes queridos ou dificuldades por causa do trabalho têm mexido com a saúde mental da população. Por outro lado, cada vez mais profissionais têm se voluntariado para ouvir e ajudar aqueles que, muitas vezes, só precisam ser acolhidos e desabafar, mesmo que de forma remota. Seja por WhatsApp, Skype, Facebook ou pelo próprio telefone, a terapia à distância se tornou um serviço essencial tanto para usuários dos métodos presenciais quanto para quem tem sofrido com os sintomas causados por esse período de crise.


O psicólogo ainda ressalta que, um processo que o chamou muita atenção neste momento pandêmico, é o fato de que muitas pessoas não conseguiram dar conta da relação com elas mesmas (Eu-eu). “Nossa sociedade parece estar sempre buscando se relacionar com o externo (Eu- Tu), como se a relação com si próprio não fosse um lugar habitável”.






© 2014 Todos os direitos reservados a O Globo e Agência O Globo. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.